Politica

MP acusa ex-prefeito Itaperuna – RJ Fernando Paulada de superfaturar

PAULADA PREFEITO

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) ajuizou duas ações contra o ex-prefeito de Itaperuna Fernando da Silva Fernandes, o Fernando Paulada (PPS), e um empresário proprietário de uma empresa responsável pela manutenção do serviço de iluminação público durante a gestão do político. Os dois irão responder a uma ação civil pública por improbidade administrativa e a ação penal pelos crimes de peculato e admissão de vantagem ilegal durante execução de contrato administrativo. A dupla é acusada de gerara prejuízo de R$ 315.338,00 aos cofres públicos por meio de superfaturamento.

As investigações apuraram irregularidades em aditivo ao contrato de manutenção da iluminação pública celebrado em 2012 e contra parecer da Procuradoria Geral do Município que entendeu pela necessidade da realização de nova licitação. O superfaturamento, segundo técnicos do Grupo de Apoio Técnico Especializado (Gate/MPRJ), atingiu, no mínimo, a quantia de R$ 3.044,99 mensais, perfazendo um total de R$ 30.449,90. Já a vantagem ilícita concedida à empresa Laje Luz teria sido de R$ 265.872,27.

Ainda de acordo com o MPRJ, nos meses de julho, agosto e setembro de 2011 e julho, agosto, setembro, outubro e novembro de 2012, foram realizados pagamentos à empresa sem a correspondente nota fiscal. Os técnicos também apontaram que as outras notas fiscais foram emitidas antes do término do mês da prestação de serviço, chamando atenção uma nota fiscal emitida com apenas dois dias completos de serviço.

Foram detectadas outras irregularidades no processo licitatório como ausência de descrição clara do objeto licitado, apenas constando expressões genéricas como “correção de aterramento” e “substituição de braço de luminária”, sendo impossível verificar quais materiais e mão de obra foram empregados. Também não se verifica nos autos, de acordo com os promotores, a estimativa correta de preço, material e mão de obra para o serviço, projeto básico, recebimentos provisórios e definitivo, prestação de contas e data-base do preço estimado.

Caso julgada procedente a ação civil pública, além da cautelar de indisponibilidade de bens, os réus poderão receber as seguintes sanções: ressarcimento ao erário, multa, proibição de contratar com poder público, suspensão dos direitos políticos e perda da função pública. Na ação penal pode ser aplicada pena de prisão de quatro a 16 anos e multa. (A.N.)

Fonte: Folha 1

About the author

Cristina Rios

Produtora de Eventos, Ex-Secretária de Assistência Social do Município de Italva - RJ e Colunista Social do Jornal Tempo News.

Add Comment

Click here to post a comment

ACESSOS AO SITE

contador gratuito

PATROCINADORES

user_1331437033

Unidas Farma Padrão Transmania telecom-banner Spesse e Guty Guty Sem título-1 radio28849_1439401703 Panfleto_15x21_HYG_CURVAS padaria Logo_Performa Italva - RJ ÚNICA 2016 IMG_20161124_133658.jpg.opt464x249o0,0s464x249 download download (1) domingos_manutencao crbst_tony_lar_logo cartao fundo pretoaltaresolucao 20767835_1924184521176462_975579014721093688_n 00b49c416b24dd6eacbb598f9b712507_400x400